terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Dia após dia



Olá pessoal. Estou sem meu computador em casa, e isso me causou algumas dificuldades para postar aqui.

Nesse ultimo Domingo, não tive a oportunidade de ir à reunião o Salão do Reino; mas na Quinta-feira passada e no Domingo anterior eu fui sim.

Entrar na Torre de Vigia com olhos abertos é um privilégio para poucos. Imagino que para as pessoas que sofrem dilemas e conflitos internos por causa de amizades profundas e familiares, deve ser um tormento. Para mim também é algo terrível, mas aprendi a lidar. Aprendi a lidar com isso de maneira individual, mas ainda está sendo difícil manter o disfarce; a Torre é esperta!

No Domingo em que fui (pela primeira vez em 2 meses, desde que conheci a verdade sobre a verdade), fiquei muito emocionado. Fiquei feliz pela recepção (sempre) calorosa dos irmãos e das irmãs. As pessoas estão realmente dispostas a me "adotar" para que eu fique firme na fé.

De todas essas pessoas, um irmão me chama a atenção em especial. Não citarei seu nome aqui, mas o chamarei de "irmão profeta"! O "irmão profeta" tem sofrido horrores com a depressão; fico impressionado de vê-lo tirar forças de onde não tem, para seguir em frente. Ele se afeiçoou muito a mim, e eu decidi que se é importante para ele, me aproximarei dele também. Decidi estudá-lo, como um caso a parte, ele se tornou meu estudo pessoal. Vejo que sua fé é inabalável apesar de toda tortura que tem sofrido e isso me dá muita pena. Quero ajudá-lo a ter um objetivo para largar os remédios antidepressivos e seguir uma vida "normal" sem precisar se drogar para dormir ou para "encarar o dia". É uma tristeza o que a Torre faz com os seres humanos mais susceptíveis a doenças mentais...

Outro fato importante foi um ancião que vei me chamar atenção! Haha! No fundo eu gostei; de um jeito estranho, é claro, eu me senti querido!
Pelas palavras dele, percebi que as pessoas não estão preparadas para "pena de morte" que é a desassociação. Ele me disse algo do tipo: "Essa congregação TE AMA (ele deu ênfase mesmo)!!! Você, além de muitas qualidades que tem é carismático demais. As crianças perguntam por você o tempo todo, as irmãs podem não demonstrar  o sentimentos (repressão é fogo) mas estão todas estonteantes de ver você aqui novamente!".
É óbvio que ninguém está preparado para ser separado de um ente querido! Quando será que o CG vai perceber isso e o mal que está fazendo?
Meu instrutor é um ancião zeloso; e as palavras dele refletem o quanto ele não está preparado para isso. Ele me disse: "Não consegui levar uma vida normal, desde que você se afastou". Nem eu! Ainda fiquei sabendo através de um outro ancião, que o meu instrutor nesse tempo em que estive afastado ficou tão psicologicamente abalado que não conseguiu cumprir algumas de suas designações. Eu imagino... Quem é que quer se afastar de um dos melhores amigos? Ninguém!

No estudo de A Sentinela!, mais do mesmo com uma leve diferença: Os comentários do povo pareciam ser (ou realmente eram) (in)diretas para mim! Muito interessante!
Nos parágrafos 11 e 12 do estudo do dia 22/01 a esposa do meu instrutor aproveita a deixa para chamar os amigos (motivo de minha renúncia à religião) de futilidade, logo em seguida meu instrutor enfatiza o comentário dela mas diz que ainda dá tempo de voltar para Jeová (ou para a masmorra).


No parágrafo 12 pude observar alguns níveis de programação.

"que tal ajudar o estudante a preparar respostas bíblicas simples e razoáveis a perguntas e objeções de colegas de trabalho ou outros ? "
Aqui podemos observar a Organização num nível básico de programação. Visto que é normal, ao ingressarmos numa seita, que parente e amigos façam objeções, essa é uma tática para fazer o indivíduo se sentir parte da Organização e convicto para defende-la.

No mesmo parágrafo:

"Além de sermos seu amigo, podemos apresentá-lo a outros na congregação, em especial àqueles com quem ele talvez tenha algo em comum."
Nessa frase temos a seguinte ordem: Usemos as relações interpessoais para prendê-los. Esse amor fraternal é usado como técnica de aprisionamento. A maioria das pessoas rejeita família e amigos ao se tornar TJ, e por isso ficam "sozinhas no mundo"; precisam fazer amizades dentro da congregação e essas amizades tornam-se fator crucial para quem deseja sair. Primeiro porque a S.T.V. demoniza as pessoas do mundo, então reatar relações ou (para quem nasceu TJ) começar relacionamentos com pessoas de fora é um passo difícil, e segundo pois quem sai, sabe como será tratado por quem fica.
Classifiquei essa programação como: programação básica II


Para concluir esse parágrafo 12:
"Acima de tudo, devemos ensiná-lo a orar com regularidade e de coração."
Não estou aqui criticando a oração. Critico a forma de fazer com que a pessoa lute contra si mesmo, contra a família e amigos, e contra as evidencias de que algo está errado, recorrendo à oração. Faz da oração uma espécie de "mantra" e auto-condicionamento mental. Triste.


No fim do parágrafo 14 temos:
"O que acontece se uma pessoa perde isso de vista e passa a se concentrar em suas próprias habilidades ?  O fracasso resultará em falta de confiança"Nessa parte temos programação like a boss!! Fazer com que o ser esqueça de si mesmo, perca a fé em sua auto-confiança e deposite fé na religião (ou na S.T.V.)

Finalmente, a ultima frase do parágrafo 15 diz:
"Além disso, busca em Deus a coragem e a força necessárias para enfrentar qualquer situação ou cumprir bem qualquer designação."
As duas ultimas palavras dizem tudo né ?  Eis aí o desafio, você cumprirá qualquer designação; ou não tem fé e coragem suficiente ?



As reuniões se tornaram algo chato. Quando não enxergamos a verdade sobre a verdade, tudo é muito maravilhoso e as "verdades" são sempre maravilhosas; mas depois disso, tudo é repetitivo e enjoativo.
Agora o que está longo e enjoativo é o meu texto! xD

Vou parar por aqui e em breve trago mais informações sobre o que rola dentro da Torre e o meu desafio de viver lá dentro e aqui fora ao mesmo tempo!


Abraço!
Vocês não estão sozinhos!




Nenhum comentário:

Postar um comentário