quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Os Agentes



Eu tinha prometido voltar e postar mais uma análise minha sobre a Matrix da vida real: A Sociedade Torre de Vigia. Era pra eu ter ido a reunião hoje para preparar a postagem de segunda-feira, mas eu desisti; não estava psicologicamente preparado pra ingressar no domínio do controle mental, não hoje.
Assim vou dar prosseguimento a postagem extra (mais uma) que eu havia prometido.

Entrar na Matrix não é fácil. Estive lá na última Assembléia de Circuito e o "bicho pegou". A Matrix está pronta para observar qualquer anomalia e eliminá-la. Intrusos não são bem-vindos, é necessário muito cuidado para não ser detectado.

Quando assistimos o filme Matrix, podemos observar que o Sistema é integrado. Cada componente dele pode se tornar uma arma para eliminar componentes indesejados. Ao localizar os intrusos, a Matrix transforma qualquer pessoa que esteja por perto em um Agente. Os Agentes estão completamente preparados e habilitados para eliminar os invasores.

Na S.T.V não é muito diferente. A programação feita nas pessoas visa mante-los dentro da "prisão" e ao mesmo tempo policiar (mesmo que inconscientemente) se existe algo ou alguém, interferindo ou que possa interferir no funcionamento padrão da Matrix. É fantástico.

Assim que eu cheguei na Assembléia, as pessoas quando me viram entraram em "parafuso". Era como se eu tivesse morrido e ressuscitado. Como eu disse na minha postagem anterior, aprendi a separar a programação do sentimento. Vi que sentimento é genuíno apesar da programação das pessoas; mas vi também que o sistema de defesa da S.T.V está impregnado em alguns.
Talvez por pura curiosidade (ou não) alguns vieram questionar meu repentino afastamento. Trouxeram boas palavras de amizade, de encorajamento e etc. O interessante é que também vieram algumas perguntas sutis sobre o MOTIVO. Isso porque, só expliquei meus motivos aos anciãos em carta fechada. E nas perguntas referentes aos motivos, senti que queriam saber se a Torre havia me decepcionado de alguma forma.
Não existe crime mais absurdo dentro das Testemunhas de Jeová, do que contradizer a Torre.

As pessoas programadas tem medo dos apóstatas, que são justamente pessoas que viram os podres da Organização, então sondar se eu estou me tornando, ou se me tornei apóstata, é essencial para manter a "saúde" da congregação. Não é difícil perceber quando quem fala é a pessoa e quando é a programação "falando". Precisa ter só um pouquinho de "feeling" e convicção para segurar a posição, sem se contradizer nas respostas. Tudo é detectável, tudo é perceptível; desde suas respostas a certas perguntas até se você está prestando realmente atenção ao programa que está sendo apresentado na tribuna, ou não.

É um stress mental, mas que a principio, para mim, está valendo a pena. Estou amando ver o fruto de determinadas sugestões às pessoas e estudando um jeito de ajudá-las. Quem sabe eu consiga algum dia?

Minha próxima postagem será na Segunda-feira, após a reunião de Domingo trazendo o que vi de interessante no estudo de A Sentinela! e nos discurso público. Apontarei as sugestões e as sutilezas (pílulas azuis) da Torre de Vigia.

Até breve

Nenhum comentário:

Postar um comentário